foto-dr-claudio@3x

Dr. Cláudio Silveira

– Doutor em Medicina pela UNIFESP

– Especialista em Oftalmologia pelo CBO

– Prêmio Medalha de Ouro Moacy Álvaro: concedido ao Dr. Cláudio Silveira pelo desenvolvimento da Oftalmologia e da Prevenção da Cegueira no 41º Simpósio Internacional Moacyr Álvaro, São Paulo-SP, 1º de Março de 2018.
premio

– Prêmio CBO pelo trabalho: Toxoplasmose Ocular Identificação de cistos de Toxoplasma gondii na retina de irmãos não gêmeos com diagnóstico de toxoplasmose ocular recidivante – primeiro caso mundial, no XXIV Congresso Brasileiro de Oftalmologia, Curitiba/ PR 1987.
Modelo_1_Silveira Quadro 1_40x60 - cópia

Principal atividade

– Diretor Clínico do Instituto Oftalmológico
Dr. Silveira Ltda – Erechim/ RS

– Pesquisador chefe do Centro de Referência
de Toxoplasmose de Erechim/ RS

Atividades concomitantes

– Presidente da SBU – Sociedade Brasileira
de Uveítes (Administração 1994/96)

– Membro da Comissão de Prevenção da Cegueira e Reabilitação Visual (Gestão 2001/2002)

– Membro do IUSG (The International Uveitis
Study Group) desde 2004

Graduação em Medicina

Graduação em Medicina UFRGS.
1976.

Oftalmologista

Título de Especialista em Oftalmologista
pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Doutor

Título de Doutor em Medicina
Curso de Pós-Graduação em Oftalmologia
(UNIFESP/EPM), 1997.

Trabalho

Na década de 1970 a Clínica Silveira inicia a observação de casos que levariam a uma importante descoberta:

A descoberta de que a toxoplasmose adquirida era a causa mais frequente de lesões oculares e não a forma congênita, como se pensava anteriormente. Estes dados novos modificaram os conhecimentos sobre a doença em todo o mundo.

Em 1987 este trabalho recebe o Prêmio CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia), considerado o maior prêmio concedido a oftalmologistas no Brasil. Em 1988 o trabalho é publicado no American Journal of Ophthalmology, revista de oftalmologia lida em mais de 100 países.

A partir deste trabalho iniciou-se um período de estudos que transformaram Erechim em um centro de pesquisas para o estudo da toxoplasmose. Em 1990 inicia um estudo patrocinado por entidades de pesquisas internacionais (Fogarty) em colaboração com instituições brasileiras (CNPq). Este estudo mostrou que a região de Erechim apresenta o maior índice de toxoplasmose ocular em todo o mundo, atingindo 20% da população rural adulta da região. Esta pesquisa está tendo continuidade com um estudo prospectivo que vem fornecendo informações novas sobre a história natural da doença.

A importância atrubuída ao estudo da região de Erechim levou a realização de três reuniões no NIH (Instituto Nacional de Saúde dos EUA) financiadas pelo mesmo Instituto. A primeira, em 1988, quando foram definidos quais estudos poderiam ser realizados em Erechim; a segunda, em 1999, para avaliar os estudos realizados e como deveriam seguir as pesquisas na região e a terceira em 2001, onde foram apresentados alguns resultados destas pesquisas.

Os vários trabalhos publicados nas mais importantes revistas científicas do mundo como, The New England Journal of Medicine, American Journal of Ophthalmology e Journal of American Medicine Association fizeram com que este grupo de pesquisadores tenha sido um dos mais citados na literatura mundial nos últimos anos. Pedidos de cópia dos trabalhos por pesquisadores de países como EUA, França, Dinamarca, Inglaterra, Japão etc. são frequentes.

Os pesquisadores da Clínica Silveira também são convidados a participar como conferencistas nos principais congressos mundiais sobre toxoplasmose. A experiência adquirida através destes anos transformou Erechim, através da Clínica Silveira, em um centro de referência para o tratamento da toxoplasmose.

A partir das descobertas de Erechim a forma adquirida da doença passou a ser identificada como importante causa de lesões oculares. Nos últimos anos, trabalhos feitos na Inglaterra por R. Gilbert, A Brézin na França, A Rothova na Holanda, Remington, Holland e Nussenblatt nos EUA também relatam a doença adquirida como importante causa de lesões oculares.